Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Daily Echo

Breaking habits

22
Nov17

Resoluções e datas certas

Monica Nobre

Novembro. Já estamos em novembro. Estamos todos a perguntar para onde foi o ano? Ainda há pouco estávamos a fazer resoluções mas estes 12 já estão a terminar. Fizeste tudo o que planeaste? O que aconteceu com essas resoluções? Falhaste? Tentaste? Cumpriste? Vou-te contar uma coisa: 92% falham nas resoluções que fazem. Porquê? Isso interessa? Não interessa antes saber o porquê de querermos mudar e porque não mudamos? Estabelecemos um objetivo, começamos (ou não), dava trabalho e desistimos. Porque há sempre o próximo mês, o próximo verão, o próximo ano. Já tive esta conversa (mais ou menos) com algumas pessoas, que veio de uma talk que vi no WebSummit. O orador começou por perguntar se lavavamos os dentes. Todos disseram que sim. Perguntou se faziamos um check up anual dentário e mais de 50% confirmou.

Então perguntou quem fazia um checkup anual ao corpo, fossem análises, raio x... entre eu, estavam apenas mais umas 10 mãos!! 10! Porquê? O corpo não é mais importante que os dentes?

 

Medo de fracasso?

Quando alguém gosta de desafios, vai ativamente procurá-los e não importa qual é o desafio, na minha opinião, o medo de fracasso é apenas desconforto. Porque sair da nossa zona de conforto é um desafio que, por algumas pessoas, é encarado como sendo algo que as diminui. Eu acho que não existe nada que nos possa diminuir. Mas e daí eu não gosto de falar para muita gente. Na verdade, não é parte de falar que me incomoda, é a parte de ser o centro das atenções, dos olhares, da pressão... Não há exatamente uma explicação mas considerando outras coisas: fui atleta de competição e quando ia às provas tinha, na mesma, "all eyes on me"... e isso não me incomodava. Na verdade, reconfortava-me saber que havia alguém a reconhecer os meus feitios que eu tanto tinha treinado. E quando vou fazer uma apresentação penso nisso mesmo: eu sei isto, eu fiz/preparei/estudei isto, se me vierem perguntar eu sei explicar, então eles estão a ouvir-me porque acham que tenho algo importante para dizer, para aprenderem...

Nestes ultimos anos o meu pensamento, o meu "mindset" mudou. Eu mudei-o. Não porque achava que estava errada no que fazia ou dizia, mas porque dava demasiada importância a coisas que não mereciam e porque dava pouca às que deviam interessar-me. Porque achava que haviam coisas que me estavam a escapar e que as queria... Quem me conhecia, vê que mudei. Quem me conheceu agora sabe que só ligo ao que me interessa.

 

 

É preciso mudanças para existir mudanças

Dizemos que todos os dias é uma oportunidade mas não vivemos como tal. Primeiro a segurança, depois o conforto e depois arriscar. Porquê? 

Quando perguntam "se pudesses saber o dia em que vais morrer, saberias?" muitos dizem não querer saber... que preferem viver sem saber, até aquele dia. Mas se soubessem... viveriam mais intensamente? Sabendo que vais morrer, deixavas as "seguranças" e vivas confortável na tua aventura e risco? 
Deixa-me dar-te uma novidade: vais morrer. Em dada altura vamos todos. E se é apenas um número que vai fazer tu viveres e estares onde queres estar, então estás a desperdiçar a tua vida.

 

 

Corpo e mente

É necessário e mandatório cuidarmos de nós. Não sei se pensas nisso ou não, mas todos os dias a nossa vida está em risco. Um acidente pode acontecer em qualquer lado. Até o nosso corpo nos pode falhar mas devemos cuidar dele e pô-lo como prioridade. Então porque não é? Preguiça? Falta de tempo? Desorganização?

Levanta-te e pensa em ti. Faz por ti. Arranja tempo. 10 minutos. 5 minutos. Organiza-te. Escreve, aponta, age. Agora falando a sério, levanta o cu e mexe-te! Trata do teu corpo, da tua mente. Arrisca menos. O que está fora do nosso controlo, é uma coisa mas vivemos com o nosso corpo. Cuida dele. 

 

2018 está ai a bater. Já tens resoluções para o próximo ano? E que tal planear já para agir já? É preciso ser dia 1 para mudar? Ser meia noite? 

Na minha terra existe uma festa no dia 29 de agosto. Festejamos a noite toda, comemos e bebemos e à meia noite vamos à água. Antigamente o dia 29 de agosto era o nosso ano novo. Era o dia que lavavamos o que queriamos deixar para trás e saimos limpos, com outro pensamento e outra motivação.

 

Quando vai ser o teu banho? Já foi? Conta-me tudo!