Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Daily Echo

Breaking habits

05
Fev18

Não é sorte, não é azar. Chama-se metabolismo.

Monica Nobre
Acho que já estamos sintonizados o suficiente para eu vos falar do meu interior... sim, vou falar-vos do meu metabolismo mega acelerado.
 
Desde miúda que sempre fui magrinha. Quando era mais pequena era ruim para comer mas sempre fui saudável. Até que alguém fazia algum comentário parvo e o meu avô levava-me ao médico. Nop, tudo normal. A miuda é saudável, não tem nenhum disturbio. É só magrinha. É dos genes.
Ao crescer, comecei a comer bem e até demais. Simplesmente tinha fome.
Quando vim para Lisboa, com cerca de 12 anos, entrei no desporto a sério. Fui atleta de competição e comia mais do que uma pessoa normal. Tinha sempre fome, estava sempre a comer desgalgada e cada vez que treinava perdia peso. Mandaram-me a um psicólogo para perceberem se eu escondia alguma coisa. Nop. Nada. Comia tudo e queria mais. 
 
Eu sempre fui assim, sempre tive o IMC baixo como se fosse quase desnutrida e quando havia algum stress perdia peso como um avião a cair a pique.
Ao crescer, todas as miúdas me diziam "que sorte" (ainda oiço isso!) mas eu nunca me senti bem. Porque o meu problema com os números baixos é o mesmo que o de outras pessoas com números altos. Porque não era normal, nem natural, nem me parecia com as outras miudas. Era miudinha e frágil e magrinha e leve como uma pena.
 
Na verdade, sempre fui saudável. Nunca me impus restrições, comia tudo e muito.
Quando entrei para a Força Aérea, vi-me a entrar com 50kg e a sair com menos 7kg no final da recruta. A carga fisica era imensa e o que comia (que dava para uma pessoa normal) não era suficiente. Cada vez que treinava, perdia peso.
 
E passei a não ter balança em casa. 

Há coisas que passamos a vida a matutar e precisamos de um porquê. Este é o meu. 
Fui a vários médicos que diziam "mas és saudável" mas isso não era suficiente. Não sabia lidar com o meu peso (que peso?!). 
 
Encontrei finalmente um que compreendeu a minha situação e frustação e fez-me um questionário extensivo e depois de comer coisas especificas e depois de algumas análises o veridito: Metabolismo Rápido!
 
E o que quer isto dizer?
Possivelmente é diferente de pessoa para pessoa. Para mim, funciona assim:
- Tenho sempre fome
- Faço a digestão em metade do tempo "normal".
- Preciso de comer mais das 2000 calorias recomendadas por dia.
- Se treinar, (como treino) tenho de exagerar na comida. Para não ficar com um nível muito baixo de gordura corporal e não começar a tirar aos musculos.
- Não consigo beber café se já tiver acelerada, fico com ataques de ansiedade (adoro café), então a opção é não beber de todo. Evito o café puro. Bebo misturado ou derivados como bolos e assim.
- Se comer e ficar com "aquela barrigada", como a minha digestão é rápida, dali a 1h tenho fome. Tenho mais refeições que nomes tem o Duque de Bragança. 
- Se beber álcool, ainda nem vou a meio do copo, já sinto o efeito. Também passa mais rápido.
- Fico muito quente de repente, ou muito gelada.
- Quando levo uma anestesia, ou não pega ou o efeito passa rápido. O mesmo acontece em sarar (saro rápido).
 
Na verdade, nunca cheguei a uma fase que percebesse "este é o método e resulta". Tem alturas, depende do stress, do tempo, de mim, da vida... É uma constante mudança.
 
Dito isto parece um pesadelo. Acho que a parte mais complicada, para mim, é querer concorrer a concursos públicos e ter restrições especificas como: "Se tiver 1,60 tem de ter no minimo 50kg"

50kg. Será por isto que odeio números??
 

fat-slim-dailyecho

 

 
Na verdade, é uma luta porque a não ser que percebamos como o nosso corpo funciona, nunca chegamos a uma "solução". O peso varia e não sabemos porquê. Para adicionar a isto tudo tenho a tensão baixa e a pulsação sempre alta. 
 
Acho que a minha sorte foi sempre ter feito desporto. A minha mãe tem a mesma coisa e com esforços "aconteceu-lhe" um sopro no coração. A verdade é que o corpo está sempre acelerado e acontece tudo muito mais depressa, seja digestão ou ingestão.
 
Seja como for, não digo que tenho sorte em não engordar. Sei que quem ouve o meu problema acaba por me dizer sempre, tens sorte, quem me dera, mas o facto é que incomoda-me também e tenho de adaptar uma dieta que inclua o dobro do normal para ser "normal". 

Uma das coisas que me chateia é que não posso ser dadora. Não posso dar sangue nem medula osséa porque alguém decidiu que só com certo peso é que é saudável. E isso chateia-me à brava. Porque sou saudável e por ter o metabolismo acelerado forneço mais sangue. Bombeia mais e mais depressa. 
Mas aos olhos da medicina, não posso. Porque alguém inventou um índice de "saudável". Novidade? Esse índice deve servir a 50% da população, senão menos. Acho que é bom termos uma medida para nos guiarmos mas não fazer disso lei. Posso ter 50Kg e ser mais forte, mais rápida e mais saudável que alguém com mais 10kg que eu. E eu estar abaixo do tal IMC. 
 
Tudo isto para lembrar que números não significam nada, mas significam. 
Mas acho que não nos devemos comparar em números mas sim em que ponto queremos estar. Essa foi um dos pensamentos que sempre me impus. Nem sempre funciona mas houve uma altura em que se o meu objetivo seria ser saudável, praticar desporto e ter resultados visiveis, então ia a isso.
 
Agora é isso tudo na mesma mas com um número mais perto do "normal". Se conseguir, aviso-vos.

Mais sobre mim

foto do autor

Este blog participa no projeto:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D